cabecalho apta130219

22 de março - Secretaria de Agricultura e Abastecimento celebra o Dia Mundial da Água com projetos em prol da agricultura paulista sustentável

Neste dia 22 de março se comemora o Dia Mundial da Água, data criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), que visa conscientizar a sociedade civil, governos e setor privado sobre a relevância da preservação dos recursos naturais. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA) do Estado de São Paulo tem promovido diversas ações e políticas públicas voltadas à busca da agricultura sustentável, como a preservação e recuperação de nascentes, do solo e de matas ciliares, e novas tecnologias para o uso consciente deste recurso fundamental para a atividade agropecuária e para o planeta.

A previsão da ONU é que, até 2030, a demanda por água no mundo aumente em 50%. Ao mesmo tempo, mais de 80% do esgoto produzido pelas pessoas voltarão à natureza sem serem tratados. Para os cidadãos que se preocupam em contribuir com a economia da água é preciso entender que o uso consciente desse recurso não se resume a fechar a torneira. Acima de tudo, é preciso rever todos os hábitos e diminuir o consumo.

Entre projetos e programas executados pela SAA, por meio da CDRS, destacam-se recentemente o Programa Nascentes do Rio Pardo, em Botucatu e Pardinho; o Programa Nascentes, em Holambra; e o Projeto de Recuperação de Matas Ciliares, Nascentes e Olhos d’água, em Itapira, São Sebastião da Grama, Pedreira e Cunha.

Consumo consciente e qualidade

A Secretaria, por meio do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital-APTA) quantifica o consumo de água, considerando toda a cadeia produtiva, desde irrigação, lavagem, processamento até a água contida nos produtos, para analisar com clareza as possibilidades de redução e implementar iniciativas para a minimização do uso deste importante recurso natural, melhorando o desempenho ambiental das empresas.

Especificamente nos projetos desenvolvidos junto ao Walmart entre 2009 e 2013, por exemplo, houve economia de 745 mil metros cúbicos de água, considerando apenas os volumes anuais dos produtos comercializados pela rede, o suficiente para abastecer 33.863 famílias de quatro pessoas por um mês.

Diante da necessidade de controle da qualidade das águas minerais existentes no mercado, com consequente proteção da saúde pública, o Laboratório de Microbiologia do Centro de Ciência e Qualidade de Alimentos (CCQA) do Ital tem realizado o monitoramento de micro-organismos levando em consideração padrões microbiológicos estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por meio da Resolução RDC nº 275/2005 – ausência de Pseudomonas aeruginosa, enterococos, clostridios sulfito redutores, coliformes totais e Escherichia coli em 100 ml de água mineral e água natural.

Os pesquisadores do Ital também comparam diferentes metodologias de análise, divulgando os resultados na forma de trabalhos científicos.

Por ser privilegiado do ponto de vista geoestratégico, com uma das maiores reservas subterrâneas de água doce do planeta e milhares de nascentes naturais, o Brasil contribuiu para o crescimento do mercado produtor de água mineral, cuja demanda tem expansão contínua diante da crescente preocupação com a busca do bem-estar e estilo de vida saudável.

Pesquisa

Com ação multidisciplinar, experiências e competências em diversas culturas agrícolas e levantamento de informações, a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, tem desenvolvido tecnologias voltadas para a sustentabilidade ambiental há décadas, bem antes de os recursos naturais apresentarem sinais de alteração. Com essa expertise, os institutos ligados à Agência estavam preparados para mitigar o impacto da seca que atingiu São Paulo nos últimos anos.

Um exemplo é que a produtividade agroindustrial da cana-de-açúcar tem aumentado em até 40% em regiões com déficit hídrico, onde são adotados pacotes tecnológicos desenvolvidos pelo Instituto Agronômico (IAC-APTA). Os ganhos são obtidos em cerca de três a cinco anos, a partir do início da adoção das estratégias recomendadas pelo IAC.

O resultado médio saltou de 70 para 100 toneladas de açúcar, por hectare. A produtividade de três dígitos, como média de cinco cortes de cana, é realidade em áreas onde antes a seca era obstáculo quase intransponível.

O IAC já desenvolveu diversas cultivares adaptadas ao estresse hídrico, como as cultivares de feijão IAC Alvorada, IAC Formoso, IAC Imperador e IAC Milênio. O Instituto desenvolveu 23 híbridos com resistência à seca e boa produtividade, características apresentadas em experimentos conduzidos no Norte do Estado de São Paulo, durante três anos.

Os trabalhos desenvolvidos na citricultura pelo Instituto Agronômico (IAC-APTA) voltados para economia de água na aplicação de agrotóxicos vêm alterando a proposta conhecida de calcular a calda em litros por hectare ou litros por planta. As pesquisas são conduzidas em parceria com o Fundecitrus, desde o início do ano 2000. Na citricultura, até o início daquela década, acreditava-se que a boa pulverização tinha que ter escorrimento de calda na planta, o que levava a alto desperdício de água e de produtos.

De lá para cá, houve mudança no sistema de plantio de citros — ao invés de instalarem 200 plantas, por hectare, passaram a colocar 800, na mesma área. Este adensamento alterou a pulverização, segundo o pesquisador do IAC, Hamilton Humberto Ramos.

Fiscalização, conservação e preservação dos solos

A degradação do solo pode causar desequilíbrios nos cursos d’água, trazendo consequências na disponibilidade de água, no equilíbrio dos ecossistemas, na manutenção da produção e na saúde da população (proliferação de doenças e vetores). O solo agrícola é um patrimônio da humanidade cumprindo aos responsáveis pela sua exploração zelar pelo seu aproveitamento adequado e pela conservação das águas em todas as suas formas.

A Fiscalização do uso, conservação e preservação do solo agrícola no Estado de São Paulo é realizada pela Coordenadoria Defesa Agropecuária e tem como objetivo minimizar os processos erosivos existentes principalmente para as classes dos solos mais suscetíveis a esse processo. Os objetivos da aplicação da Lei do uso e conservação do solo são a conservação do solo, a manutenção e melhoramento de sua capacidade produtiva, assim como a preservação de todos os elementos da natureza conectados a ele.

Codeagro: Água é vida, saúde e bem-estar

A água é uma das substâncias mais abundantes do nosso organismo, pois participa ativamente dos processos digestórios, respiratórios, cardiovasculares e renais. De acordo com nutricionistas do Centro de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Cesans), da Coordenadoria de Desenvolvimento do Agronegócio (Codeagro), o consumo ideal estipulado para adultos pela Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN) é de dois litros.

Para incentivar a hidratação, a Codeagro oferece dicas, como fazer águas aromatizadas, ricas em nutrientes (clique aqui para ver o vídeo)

Por Paloma Minke
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Pin It

Notícias por Ano