cabecalho apta130219

Agricultura vai lucrar com biocombustíveis

Falando nessa quinta-feira (26-10) para mais de 150 executivos e técnicos do setor sucroalcooleiro, o agrônomo e consultor de empresas Luís Carlos Corrêa Carvalho previu que o século atual será o da agroenergia e que a crescente utilização dos biocombustíveis trará um ciclo virtuoso à agricultura em países como o Brasil. A palestra do consultor da empresa Canaplan fez parte da programação do 1º Seminário Sucroalcooleiro do Centro-Oeste (Centro-Sucro), evento que, por sua vez, integra a 5ª edição da Feira de Fornecedores e Atualização Tecnológica da Indústria de Alimentação (Ffatia), que termina neste sábado. O presidente do Sindicato da Indústria de Fabricação de Álcool do Estado de Goiás (Sifaeg), Igor Montenegro, disse que o objetivo do seminário é a difusão do conhecimento específico do setor entre os seus empresários, executivos e técnicos. Segundo ele, o domínio do conhecimento e da técnica em qualquer setor é fundamental para que alcance os parâmetros de competitividade desejados. Igor Montenegro destacou a crescente importância de Goiás na atração de novos investimentos, rivalizando com Minas Gerais. Ele prevê que em 2010 o Estado estará esmagando 60 milhões de toneladas de cana, contra os atuais 15 milhões de toneladas, assumindo o terceiro lugar no País. Petróleo O consultor Luís Carlos Carvalho chamou a atenção dos participantes do seminário para o fato de que nos primeiros choques do petróleo, nos anos 70, a economia mundial entrava em profunda recessão. Atualmente, mesmo com os preços do barril de petróleo superando os 70 dólares a economia mundial continua relativamente estável, crescendo entre 4% e 4,5%. Por que? Ele acredita que essa aparente indiferença da economia aos elevados preços do petróleo já tenha muito a ver com a influência das alternativas de bioenergia. O consultor mostra que na última alta do petróleo os preços dos minerais subiram juntos, mas os produtos agrícolas permaneceram estáveis, salvo álcool e açúcar, visto que guardam estreita relação com o combustível fóssil. Segundo ele, na medida em que avançar a produção de agroenergia, commodities como o milho e a soja também deverão ter seus preços elevados, como matéria-prima do etanol e do biodiesel, respectivamente.
Pin It

Notícias por Ano