cabecalho apta130219

Argentina barra exportação de trigo; brasileiros reclamam

A Secretaria de Agricultura da Argentina suspendeu os registros de exportações de trigo em grão e farinha do país. A suspensão começou a vigorar ontem (dia 8) e, segundo a Circular 2/07 do Ministério da Economia, é temporária, ainda que o documento não determine prazos. A explicação oficial para a medida é "não afetar o abastecimento doméstico" e, embora a circular não especifique, o motivo seria a alta dos preços internacionais. Embora a tonelada do trigo esteja perto de US$ 215 no exterior, abaixo do pico de novembro, quando chegou a entre US$ 225 e 230, atualmente é grande a volatilidade de preços. Como lembra Alicia Urricarriet, analista do Instituto de Estudos Econômicos da Sociedade Rural Argentina (SRA) trata-se de uma instabilidade que afeta as commodities agrícolas em geral, especialmente soja e milho. Como o governo argentino controla a inflação do país por meio de acordos de preços e elevados subsídios (em dinheiro) aos produtores dos itens que mais pesam na cesta básica, a alta das commodities levou o Ministério da Economia a tentar neutralizar eventuais altas em dólar, com subsídios ou restrições às exportações - que já atingiram carne, soja e, agora, o trigo. O governo teme que, com os preços internos controlados, os produtores busquem compensar supostas perdas domésticas com exportações, encurtando a oferta interna e elevando preços ao consumidor. Segundo Alicia Urricarriet, a suspensão das exportações não terá grande impacto para os compradores, especialmente o Brasil grande importador de trigo argentino. "Não haverá problemas para o fornecimento ao Brasil porque a quantidade que compram já está praticamente contratada", diz ela, frisando que a medida se aplica só aos contratos fechados a partir de 8 de março. Os moinhos brasileiros, contudo, não encaram a situação com tanta tranqüilidade. Francisco Samuel Hosken, presidente da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), afirma que os estoques de trigo do país são confortáveis e garante que não haverá desabastecimento, mas prevê aumento de preços de produtos alimentícios que dependem da matéria-prima. "Bastou sair a notícia da Argentina para o trigo produzido no Brasil ficar mais caro. Já subiu hoje [ontem] e vai subir mais", prevê. Para Hosken, a medida argentina apenas reforça a posição da Abitrigo de que o Brasil não pode "jogar todas as suas fichas" na Argentina. Segundo o dirigente, o país precisa de uma política para o cereal, e os moinhos têm de ter alternativas para se abastecer, um caminho hoje restrito pelas regras em vigor no Mercosul. "Queremos TEC [Tarifa Externa Comum] zero, sem cobrança do adicional de frete da Marinha Mercante, para buscar trigo em qualquer lugar. Não queremos vantagens, mas isonomia". De acordo com a Sociedade Rural Argentina, da produção total de 13,8 milhões de toneladas da safra 2006/07 de trigo do país, os produtores argentinos já têm 8,7 milhões de toneladas registrados para venda ao exterior, com preço e direitos de exportação já fixados. Deste total, até o dia 28 de fevereiro, 3,9 milhões de toneladas haviam sido embarcadas. Nas contas da Abitrigo, em 2006/07 o Brasil comprará do vizinho pelo menos 6,2 milhões de toneladas. No total, as importações deverão somar 8,1 milhões de toneladas, para um consumo doméstico estimado em 10 milhões. O consumo interno de trigo na Argentina é próximo de 5 milhões de toneladas e há um estoque remanescente da safra anterior, de 1 milhão de toneladas, segundo a SRA. "A medida afeta mais aos produtores e indústrias moageiras locais porque o trigo passa a ser um produto não tão interessante", afirma a analista da SRA. Como os estoques brasileiros de trigo são confortáveis no curto prazo, diz Hosken, também não haverá desabastecimento de farinha em razão da restrição argentina.
Pin It

Notícias por Ano