cabecalho apta130219

Bagaço pode virar álcool a partir de 2009

O Brasil disputa para valer a corrida tecnológica que decidirá quem vai conseguir tirar etanol de celulose. A partir de 2009, o país poderá ter dominado uma via de obtenção da energia contida no bagaço e na palha da cana-de-açúcar, afirma um cientista da Unicamp. Em tempos de aquecimento global, a obtenção do álcool de celulose -que pode ser obtida até mesmo do papel e de parte do lixo orgânico- tem uma elevada importância estratégica. "No caso do Brasil, onde há uma situação privilegiada de custo de matéria-prima, existem grandes chances de viabilizar a hidrólise ácida comercialmente de dois a cincos anos" afirmou à Folha Carlos Rossell, do Nipe (Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético) da Unicamp. Para o especialista, todo o esforço feito nas últimas décadas com o etanol é que coloca o Brasil na posição de liderança. "Hoje, por exemplo, estamos em uma posição mais vantajosa do que os EUA na produção dos biocombustíveis." A própria visita ao Brasil do presidente George W. Bush, marcada para 9 de março -e cujo principal tema devem ser os biocombustíveis-, sustenta a opinião do pesquisador. Em São Paulo, representantes do governo americano disseram na semana passada que a pesquisa e o desenvolvimento de biocombustíveis podem ser o "eixo simbólico" de uma parceria "nova e mais forte" entre o Brasil e os Estados Unidos. Para o Rossell, que também faz consultorias para empresas do setor sucroalcooleiro, o Brasil terá seu próprio modelo de hidrólise da celulose. "Isso não é uma questão de nacionalismo. Teremos um modelo próprio, porque nossas condições são especiais", explica. Um das dificuldades hoje na fase da hidrólise da celulose é evitar o surgimento de substâncias que depois vão dificultar o processo de fermentação.
Pin It

Notícias por Ano