cabecalho apta130219

×

Aviso

There is no category chosen or category doesn't contain any items

IAC contesta inviabilidade do café em SP com aquecimento global

Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, avaliam como prematura a constatação de que "o café vai sumir do cenário agrícola paulista nos próximos 30 a 40 anos, quando a temperatura deverá estar 3 graus centígrados mais alta", presente em estudo divulgado pelo Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Unicamp em conjunto com a Embrapa-Informática a partir dos relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). A análise realizada por pesquisadores do Centro de Café e do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Ecofisiologia e Biofísica da Secretaria mostra que para tal conclusão seria necessária uma avaliação dos possíveis cenários e da situação da capacidade técnico-científica da cafeicultura atual. As informações são da assessoria de imprensa da secretaria. Conclusões Considerando as faixas de temperatura média anual, definidas pelo zoneamento agroclimático do café arábica para o Brasil, como aptas ou preferenciais aquelas que ficam entre 18 a 23 graus, marginais a inaptas aquelas abaixo de 18 graus e acima de 23 graus, os pesquisadores do IAC construíram a seguinte leitura das regiões produtoras no Estado de São Paulo: Na região da Média e Alta Mogiana, maior produtora do Estado, a altitude está na faixa de 800 a 1.200 metros, com temperaturas médias entre 18 a 20 graus. Um aumento de 3 graus elevaria essas temperaturas para 21 a 23 graus, continuando a região a ser considerada ainda apta para a cultura comercial do café arábica. Na região sul do Estado embora a altitude esteja na faixa de 700 a 800 m, em virtude da latitude, as temperaturas médias são de 19 a 20 graus e, portanto 3 graus a mais também não tornaria inviável a cafeicultura comercial na região. "O problema poderia se tornar mais grave e preocupante no centro-oeste do Estado, no qual a principal região produtora fica entre os municípios de Garça e Marília, onde a altitude média está em torno de 600 m, que condiciona temperaturas médias na faixa entre 21 a 22 graus, que com a projeção de aumento de 3 graus, inviabilizaria o cultivo comercial do café arábica", informam os pesquisadores. Na avaliação dos especialistas, alguns aspectos primordiais foram totalmente ignorados por aqueles que consideram apenas o aspecto temperatura média. "Ao longo de dezenas de anos de pesquisa, o IAC e outras instituições de pesquisa desenvolveram tecnologias que permitem atenuar o efeito de temperaturas adversas, tornando viável o cultivo comercial em regiões consideradas pelo zoneamento agroclimático como marginais e até mesmo inaptas para a cultura do café arábica." Portanto, sob o aspecto da cafeicultura atual, a tendência de aumento de temperatura não deverá, segundo a análise, ser catastrófica e nem também para o futuro, pois as pesquisas até o presente fornecem evidências e subsídios para que a nossa cafeicultura de arábica e robusta continue sendo pujante, sustentável e sólida. Mais dados da análise "Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e a Cafeicultura Paulista" estão no site www.iac.sp.gov.br.