cabecalho apta130219

III Simpósio Brasileiro debate setor de óleos essenciais no IAC

Para algumas pessoas um bom dia não começa sem aquelas gotinhas de perfume. Ao usar a fragrância preferida, o que muitos não sabem é que as principais empresas de aromas e perfumes com abrangência mundial têm atividades no Brasil. De olho na cadeia produtiva de óleos essenciais, que apesar da relevância não é bem articulado no País, o Instituto Agronômico (IAC) irá realizar o III Simpósio Brasileiro de Óleos Essenciais, em parceria com a Embrapa Meio Ambiente, Unicamp, Unesp e Universidade São Francisco. O evento irá acontecer de 8 a 10 de novembro de 2005, no IAC, em Campinas. O objetivo é dar continuidade às discussões iniciadas durante a segunda edição do evento, realizada em 2003, também no IAC. A idéia é estimular ações que contribuam para a reorganização e consolidação da cadeia produtiva dos óleos essenciais, com envolvimento de políticas públicas para o desenvolvimento do setor agroindustrial. Apesar do crescimento do mercado de cosméticos, perfumaria, medicamentos e domissanitário , o setor de óleos essenciais no Brasil ainda é desarticulado. Falta interação no sentido de fortalecer os elos da cadeia — produção de matéria-prima, extração de óleo, industrialização do produto final e comercialização. O resultado da desarticulação é que — apesar de o Brasil ser o maior produtor de óleo essencial de laranja, sub-produto da indústria cítrica — o País importa a maior parte dos óleos essenciais, justamente em razão do menor preço, qualidade e disponibilidade do produto. “Além desses fatores temos também que considerar a falta de política agroindustrial para o setor e a expansão do uso de produtos sintéticos nas formulações,” diz a pesquisadora do IAC e integrante da comissão organizadora do Simpósio, Márcia Ortiz. No Brasil, o principal estado produtor de óleos essenciais é São Paulo, em razão da forte atividade citrícola. Segundo Márcia Ortiz, além dos produtores de citros, há algumas indústrias de porte médio e pequenos produtores de plantas aromáticas e óleos essenciais no Estado, que produzem, principalmente, óleo essencial de citronela, gengibre e eucalipto. Outro reflexo da desorganização do segmento é a existência de poucos dados sobre a atividade. De janeiro a setembro deste ano, a exportação de óleos essenciais foi de 56.145.151 kg, somando US$ 71.635.648. No mesmo período, a importação foi de 1.865.846 kg, totalizando US$ 26.851.077. Já a exportação de óleos essenciais de laranja para a safra 2004/2005 foi de 32.713 toneladas. De acordo com pesquisadora, o Brasil continua exportando óleos essenciais de pau-rosa, eucalipto,citronela, limão, laranja e outros. Atualmente, observa-se maior procura por parte das indústrias, em especial as de perfumaria, por novos óleos essenciais. “É uma boa oportunidade para o Brasil, que detém a maior diversidade genética vegetal do planeta”, avalia a pesquisadora do IAC, órgão da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Na área das pesquisas vem ocorrendo um maior esforço para agregar valor aos óleos essenciais de plantas tradicionalmente cultivadas. Vê-se também atividades como a avaliação da atividade farmacológica para uso farmacêutico, a realização de inventários de óleos essenciais de plantas nativas da flora nacional, com vistas a oferecer novos produtos ao mercado consumidor dos diversos segmentos — cosmético, alimentício, perfumaria e farmacêutico. A movimentação do setor destina-se também à implantação de agroindústrias, envolvendo a domesticação, o cultivo, a extração e a comercialização de óleos essenciais. Nesse contexto, o III Simpósio Brasileiro de Óleos Essenciais vem ampliar o intercâmbio técnico-científico entre pesquisadores, estudantes e demais profissionais do setor público-privado. Com palestrantes do Brasil, da Suíça e da Itália, o evento irá abordar aspectos nas áreas de química, atividade biológica, cultivo, controle de qualidade, utilização e mercado de óleos essenciais. Os temas serão desenvolvidos por meio de conferências, mesas-redondas e apresentação de painéis. Todas as informações estão no site do Simpósio - www.iac.sp.gov.br/sboe. Aromas e fragrâncias, pesquisa e desenvolvimento, produção agroindustrial, políticas públicas para o agronegócio, perfumaria e cosmética, melhoramento genético e técnicas de extração e análise de óleos, inovação e propriedade intelectual — todo o universo que envolve os óleos essenciais será debatido durante os três dias do evento. Mais presente do que se imagina Os óleos essenciais estão muito presentes no dia-a-dia do brasileiro e é bem provável que a população nem tenha idéia da freqüente companhia. Desde o despertar, está lá o contato com óleos essenciais ou substâncias derivadas — pode ser no café da manhã, com chás de camomila,erva-doce, erva-cidreira. Na higiene pessoal, há presença forte das essências, seja no creme dental, com mentol, ou nos sabonetes, perfumes e cosméticos. Nas refeições, os condimentos utilizados estão no prato de cada dia: manjericão, orégano, cominho,gengibre, cúrcuma e tantos outros. De acordo com a pesquisadora Márcia Ortiz, um dos segmentos que utilizam com freqüência em suas formulações os óleos essenciais cítricos é a indústria de bebidas, como a de licores e refrigerantes. Se alguém não está bem de saúde, novamente pode ter a companhia dos óleos, presentes em medicamentos como pomadas para contusões, com substâncias provenientes de óleos essenciais como a cânfora, ou pastilhas para garganta, que têm eucaliptol na composição. Ocupando vários espaços na vida das pessoas, além dos usos tradicionais, a aplicação de óleos vem crescendo no setor de aromaterapia e na fabricação de produtos para aromatizar ambientes como velas, saches e outros. Saiba quais são as principais plantas fontes de óleos essenciais e as indústrias que as utilizam - preparação de perfumaria: pau-rosa (Aniba roseodora) , capim limão (Cymbopogon citratus), limão (Citrus limon), palmarosa (Cymbopogon martini), vetiver ( Vetiveria zizanoides), bergamota (Citrus auratium ssp bergamia). - aromatizantes para a indústria alimentícia: limão (Citrus limon, citrus aurantifolia l. swingle), laranja, bergamota (Citrus auratium), mandarina (Citrus reticulata blanco - var. "mandarin"). - indústria farmacêutica : eucalipto (Eucalyptus globulus), menta (Mentha arvensis, Mentha piperita), camomila (Chamomilla recutita). - Produtos de Domissanitários: eucalipto (Eucalyptus citriodora) , pinus (Pinus sp), citronela (Cymbopogon nardus), palmarosa (Cymbopogon martini ). - Indústria cosmética: dentre vários, destaca-se a camomila (Chamomilla recutita). -Repelente de insetos: citronela (Cymbopogon nardus). SERVIÇO III Simpósio Brasileiro de Óleos Essenciais Local: Anfiteatro "Otávio Tisseli Filho", Instituto Agronômico – IAC, Av. Barão de Itapura, nº 1481 - Guanabara – Campinas – SP. Data: 08 a 10 de novembro de 2005 Informações: (19) 3231-5422, r. 159 http://www.iac.sp.gov.br/sboe
Pin It

Notícias por Ano