cabecalho apta130219

Pecuaristas buscam certificação para rebanhos

Uma das solicitações antigas dos importadores de carne, a rastreabilidade bovina, culminou com a criação, pelo Ministério da Agricultura, do Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos (Sisbov), agora com novas regras. Os pecuaristas brasileiros, porém, estão buscando protocolos como o EurepGap, exigido por grandes redes de varejo da Europa, e certificações que abrem portas para nichos de mercados, como a orgânica e o plasmon (carnes para o preparo de alimento infantil). "O Sisbov é uma espécie de vestibular para a maioria dos mercados para os quais o Brasil exporta carne bovina", define Eduardo Krisztan Pedroso, do Independência Alimentos. "Para manter as exportações, os frigoríficos devem garantir a integridade do processo, checar o número do brinco com as informações do Documento de Identificação Animal e da Guia de Trânsito Animal." Segundo o diretor Operacional da Brasil Certificação e presidente da Associação das Empresas de Rastreabilidade e Certificação Agropecuária, Vantuil Carneiro Sobrinho, a demanda por certificação tem aumentado no mundo. Os motivos, explica, foram os casos da doença da vaca louca e as contaminações alimentares na Europa, por dioxina, e de hambúrgueres por bactérias nos Estados Unidos, que causaram mortes. "Em decorrência disso, há quatro anos a União Européia passou a exigir dos fornecedores informações sobre a origem dos animais, desde o sistema de criação até o pós-abate", diz. "A adesão ainda é tímida, porque o volume exportado é pequeno", diz Sobrinho. Porém, com as exigências, cerca de 34 milhões de bovinos abatidos no País passaram a ser rastreados. "Com a rastreabilidade, consumidores brasileiros e estrangeiros têm segurança com relação à origem do alimento, até porque a maioria da carne rastreada (dianteiros) fica no Brasil." As informações são de O Estado de S. Paulo.
Pin It

Notícias por Ano