cabecalho apta130219

Pesquisadora alerta sobre qualidade da água de fontes de abastecimento e de efluentes da piscicultura

“Os órgãos ambientais têm manifestado especial interesse nos possíveis impactos causados pelo lançamento de efluentes líquidos em corpos d’água, sem prévio tratamento, poluindo-os e prejudicando a vida aquática.” É o que revela a bióloga Renata Bazante Yamaguishi (ryamaguishi@ipen.br), que apresentou dissertação de mestrado ao Programa de Pós-graduação em Aquicultura e Pesca, do Instituto de Pesca (IP-APTA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento. O trabalho foi orientado pelo pesquisador Julio Vicente Lombardi.
Atualmente, nota-se diminuição da disponibilidade e da qualidade das águas com o aumento das atividades vistas como impactantes, diz Yamaguishi. Tais atividades muitas vezes são evidentes e/ou agravadas por outras realizadas em locais indevidos ou que não oferecem condições propícias ao seu desenvolvimento ou, ainda, porque seus recursos naturais estão limitados e seu manejo está mal gerenciado.
Segundo a estudiosa, a falta de conhecimento sobre a gestão de manejo e práticas sustentáveis, seguida pelo controle sanitário, assim como o uso de drogas, vacinas e práticas para o tratamento e/ou prevenção de doenças nos viveiros de cultivo, podem acarretar a propagação de micro-organismos patogênicos aquáticos e o aumento de substâncias químicas e suas misturas como fonte de contaminação hídrica. O risco é afetar diretamente a qualidade das águas e, indiretamente, a demanda do mercado consumidor de pescados.
A gestão da qualidade dos recursos hídricos no Brasil, que inclui as águas superficiais e subterrâneas, foi tardiamente implantada, em decorrência do crescimento demográfico acelerado e da poluição das águas pelo lançamento de efluentes domésticos e industriais sem o devido tratamento. Para se ter uma ideia, o monitoramento da qualidade das águas subterrâneas no estado de São Paulo completou em julho de 2010 duas décadas de existência, revela Renata.
Parâmetros de avaliação
A incorporação dos novos conhecimentos científicos sobre parâmetros importantes para avaliação da qualidade dos recursos hídricos e preservação da vida aquática inclui a necessidade da realização de testes ecotoxicológicos para a verificação de possíveis efeitos tóxicos (agudo ou crônico) a organismos aquáticos. Em países como Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália e alguns europeus este parâmetro vem sendo empregado pelas agências ambientais há mais tempo, buscando principalmente a fiscalização e o controle das inúmeras descargas de efluentes em ambiente aquático.
No Brasil, são poucos os dados científicos de ensaios ecotoxicológicos contextualizados à aquicultura, tanto continental como marinha. As informações disponíveis permitem constatar que tanto o afluente como o efluente analisado raramente incluem as recargas dos viveiros e/ou descargas provenientes da piscicultura, atividade que movimenta aproximadamente 210 mil toneladas por ano em nosso país, segundo dados do relatório estatístico do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), 2007. No entanto, orienta Renata Bazante, há técnicas de manejo sustentável para garantir a qualidade da água para o cultivo, assim como de tratamento de efluentes gerados pela piscicultura.
Renata realizou o seu estudo em um empreendimento de pesquisa científica relacionado à área de aquicultura, localizado no bairro de Santa Cecília, no município de Pindamonhangaba, pertencente ao Polo Regional do Vale do Paraíba/APTA Regional. As análises limnológicas foram desenvolvidas no Laboratório de Análises Físicas e Químicas da Água, do IP, localizado no Parque da Água Branca, na capital paulista.
Um dos resultados da pesquisa revelou que a água de abastecimento do viveiro, seu afluente, apresentou toxicidade aguda ao organismo-teste Ceriodaphnia dúbia. Assim, a pesquisadora pergunta: o que poderia estar prejudicando a qualidade da água antes mesmo da sua chegada ao viveiro, afetando a sobrevivência dos microcrustáceos? Foi esta questão que a levou a investigar indícios de contaminação no entorno do empreendimento, listando diversos fatores externos e fontes pontuais de poluentes que poderiam ter afetado a qualidade das águas analisadas (aspectos descritos em forma de apêndice).
Renata diz que é de fundamental importância tratar qualquer tipo de efluente antes de descartá-lo nos corpos d’água. Esse efluente pode se tornar uma fonte de abastecimento de seu empreendimento aquícola, é uma “cadeia hídrica” e devemos preservar a possibilidade de múltiplo uso deste recurso. Quanto ao efluente da piscicultura analisada por Renata em seu estudo, os organismos-teste responderam de forma mais satisfatória que aqueles expostos à água de abastecimento do viveiro.
No entanto, a interpretação de outros parâmetros analisados possibilitou a ela concluir que a preocupação com o lançamento deste tipo de efluente deve ser focada no tratamento da carga orgânica, que é incrementada ao longo da passagem da água pelos viveiros, especialmente em situações nas quais não se observam as boas práticas de manejo (adaptado do texto do jornalista Antonio Carlos Simões).
Centro de Comunicação do Instituto de Pesca
Antônio Carlos Simões
(13) 3261-5474
Assessoria de Comunicação da APTA
José Venâncio de Resende
(11) 5067-0424
Acompanhe a Secretaria:
www.agricultura.sp.gov.br
www.agriculturasp.blogspot.com
www.twitter.com/agriculturasp 
www.flickr.com/agriculturasp
www.youtube.com.br/agriculturasp
www.facebook.com/agriculturasp
www.delicious.com/agriculturasp
http://www.orkut.com.br

Pin It

Notícias por Ano