cabecalho apta130219

Preços agrícolas caem 0,91% na primeira quadrissemana de abril

O índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária paulista (IqPR) caiu 0,91% na primeira quadrissemana de abril de 2009, segundo o Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento. O maior recuo ocorreu no índice dos produtos de origem animal (2,95%), enquanto o índice dos produtos vegetais ficou praticamente estável (-0,09%). As quedas mais expressivas foram verificadas nos preços da laranja para indústria (26,67%), do feijão (15,65%), do amendoim (12,37%), da carne de frango (6,54%), do milho (6,14%) e da banana (4,90%). “Os preços da laranja para a indústria estão em queda (mesmo com previsão de safra menor que a anterior) em função da expectativa de demanda internacional retraída pela crise e existência de estoques altos”, dizem os autores do trabalho. Já o patamar de oferta de feijão tem pressionado para o recuo das cotações, além de já se observar uma redução de consumo face ao aumento do desemprego urbano, explicam os técnicos. “A queda nos preços do amendoim ficou mais acentuada que a verificada em março de 2009, com a ocorrência da safra de verão que acarreta cotações mais baixas nos meses de março a maio.” As altas mais significativas foram registradas nos preços do tomate (85,52%), da laranja para mesa (5,69%), dos ovos (5,36%) e do trigo (3,98%). A acentuada variação de preços do tomate está de acordo com o padrão de variação estacional observado nos últimos anos, dizem os técnicos do IEA. “O fim da safra de verão provoca picos de preços nos meses de março e abril e os baixos preços de fevereiro servem de base para a variação acentuada.” No caso da laranja de mesa, o maior consumo de suco, associado à escassez relativa do produto nesta época do ano, impulsionou os preços para cima, afirmam os pesquisadores. “Ressalte-se que os preços atuais da fruta estão ainda expressivamente menores que os verificados em igual período de 2008, o que revela uma fase de recuperação.” A alta no preço dos ovos é decorrente do aumento de consumo, em virtude do período de quaresma, como também, provavelmente, do aumento do desemprego que induz ao maior consumo de proteína animal de menor elasticidade renda da demanda, ou seja, mais barata, analisam os técnicos do IEA. O comportamento da evolução dos índices quadrissemanais de preços mostra um recuo em relação à quadrissemana anterior. O índice geral e o índice de produtos vegetais, que estavam com variações positivas e leve tendência de crescimento, recuaram na casa de um ponto percentual, fechando no vermelho. Já o índice de produtos animais caiu mais 0,5 ponto percentual, seguindo a tendência de queda, puxadas pelas cotações das carnes bovinas e de frango, concluem. A análise foi elaborada pelos pesquisadores Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br); José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br); José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) e Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br). A íntegra está disponível no site www.iea.sp.gov.br. Assessoria de Comunicação da APTA José Venâncio de Resende (11) 5067-0424
Pin It

Notícias por Ano