cabecalho apta130219

Real valorizado faz cair cotação do café no Brasil

A valorização do real derrubou o preço do café no mercado interno. Até a última sexta-feira, a cotação do café caiu 3,5% no mercado futuro, passando de 123,60 para 119 centavos de dólar por libra-peso este ano ( vencimento Março/07 da NYBOT, de 3/1 a 23/2). Nesse período, os cafeicultores brasileiros venderam a saca de café fino de Minas Gerais a R$ 270 em média, valor 5,26% menor que os R$ 285 no início de janeiro, quando o preço do produto começou a cair mediante a queda do petróleo, que derrubou todas as cotações de commodities. Se não fosse a valorização do real de 2,24% acumulada no ano, segundo o diretor do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), Guilherme Braga, os preços do café no Brasil estariam inalterados por conta dos bons fundamentos do mercado. Os produtores têm recursos para financiar a estocagem do produto, os mais elevados dos últimos cinco anos. Além disso, os estoques mundiais estão baixos e o Brasil vai colher neste ano, na safra 2007/08, uma produção menor (cerca de 32 milhões de sacas) em relação às 42,5 milhões na safra anterior pela bienalidade baixa. Com os preços em queda, os especialistas acreditam que os produtores vão continuar retendo a mercadoria. "A tendência é de alta dos preços porque a safra anterior foi maior´´, disse o sócio-diretor do Escritório Carvalhaes, Eduardo Carvalhaes Júnior. E o reflexo já é sentido nas indústrias. Segundo o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), Nathan Herszkowicz, elas continuam com dificuldade para garantir o abastecimento interno. Para Braga, as exportações de café neste mês devem cair em torno de 20% em relação a janeiro. Geralmente no segundo semestre as vendas são mais aceleradas devido a oferta maior. Só nesse período de 2006, foram exportadas 15,8 milhões de sacas de café e outras 8 milhões foram consumidas internamente. A expectativa para este semestre é que as exportações fiquem entre 11 e 12 milhões de sacas, informou Viviane Monteiro, em reportagem para a Gazeta Mercantil.
Pin It

Notícias por Ano