cabecalho apta130219

×

Aviso

There is no category chosen or category doesn't contain any items

Resíduo do processamento do “leite de soja” vira ingrediente para alimentos

Por Leila Rinaldi Ming Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, estudaram as possibilidades de aproveitamento do resíduo do processamento do “leite” de soja, também conhecido como okara. Eles analisaram a composição e o valor nutricional do okara, cujos destinos atuais são o descarte ou a alimentação animal. Os estudos demonstraram que é vantajoso do ponto de vista nutricional. Utilizando uma técnica de secagem de alto desempenho, conseguiram, ainda, aproveitá-lo como ingrediente para a fabricação de salsicha e biscoito. A coordenadora da pesquisa, Regina Kitagawa Grizotto, resume os objetivos do trabalho em três frentes: preocupação ambiental, saúde do consumidor e aproveitamento integral da soja. “Primeiro estudamos a secagem, depois avaliamos o material quanto à composição centesimal (quantidade de proteínas, lipídios, carboidratos, fibras etc.); em seguida, quanto à qualidade da proteína e, por fim, fizemos uma aplicação em produto alimentício”, explica Regina. A idéia de estudar o okara partiu de trabalhos anteriores com o grão, os quais revelaram que o volume deste material resultante do processamento do “leite” de soja é bastante grande. No aspecto nutricional, o okara se mostrou extremamente vantajoso, por manter praticamente a mesma quantidade de proteína que estava na soja antes da extração do “leite”. O que resta é um material muito nutritivo. Por ser bastante perecível, caso não passe por processamento, os produtores só dispõem de 24 horas para aproveitá-lo. Com a secagem, porém, este tempo pode ser estendido por vários meses. Os resultados das análises do material após a secagem surpreenderam os profissionais, já que a proteína presente teve um incremento da qualidade após o processo, principalmente quando avaliada as suas propriedades funcionais tecnológicas. “Já houve trabalhos de aproveitamento do okara, mas sem o enfoque de uma secagem usando um equipamento de alto desempenho, que é o flash dryer (secador movido a ar que pode trabalhar com grandes quantidades). Nosso empenho foi de realizar um estudo abrangente”, relata Regina. Comparando com um secador tradicional, que opera com bandejas e leva entre oito e dez horas para secar uma quantidade determinada, o flash dryer cumpre a mesma função em cerca de cinco minutos. É o primeiro trabalho realizado no País com esta abordagem. Na quarta etapa do processo, os profissionais estudaram em quais produtos o okara poderia ser aplicado. Em um primeiro momento, foram feitas aplicações em salsicha e biscoito. “Fizemos análise de aceitação com o consumidor e os resultados foram excelentes. Não houve diferença no sabor da salsicha, na textura e, no caso do biscoito com okara, uma amostra foi melhor do que o biscoito padrão. Achamos muito interessante também que, dependendo da origem do okara e do tipo do processo, ele terá uma característica com uma determinada aplicação”, relata Regina. Na próxima etapa, os pesquisadores vão desenvolver um achocolatado em pó contendo o material e verificar a viabilidade econômica do processo. Eles partem da percepção de que é viável, já que trabalham com um equipamento de custo relativamente baixo e alto desempenho. Além disso, parte-se de uma matéria-prima de custo zero, já que teria o descarte como destino, o que torna o ingrediente resultante mais barato do que os similares encontrados no mercado. Mas, o projeto seguinte – que aguarda aprovação – permitirá informações mais precisas, que incluem o custo unitário de secagem do okara. A resposta interessa diretamente à indústria, principalmente a que produz o “leite” de soja. Duas empresas de grande porte – que forneceram o material para o trabalho – aguardam os resultados com interesse. O setor produtivo já está, portanto, envolvido no processo. “Normalmente, o que está envolvido no custo do aproveitamento do okara é a instalação e a compra de equipamento. O projeto é pensando tanto para a própria indústria de extrato protéico ("leite") aproveitar o okara quanto para uma outra indústria fazê-lo. Se a unidade for acoplada à unidade de "leite" de soja, contudo, o custo será menor”, revela a pesquisadora. As perspectivas de aproveitamento do okara, além das estudadas no ITAL, ainda são muito promissoras. É possível adiantar, também, a possibilidade de aplicações em formulação de sopas, embutidos e com um amplo escopo em produtos cárneos. Isto porque a proposta dos pesquisadores é fazer um material que tem similaridade com a proteína texturizada de soja, muito utilizada, por exemplo, na indústria cárnea. Assim, obtém-se um material semelhante a ingredientes encontrados no mercado, mas que contempla a tendência atual do aproveitamento integral dos alimentos. “Esta é uma grande tendência, principalmente pela necessidade de segurança alimentar, no sentido de ter quantidade de alimentos suficiente. A população está crescendo, enquanto o volume de alimentos disponíveis não cresce na mesma proporção. Temos, portanto, que propor formas de aproveitar o alimento em sua totalidade”, finaliza Regina. Assessoria de Comunicação (11) 5067-0424/0435 (Gabinete da APTA) (19) 3743-1757 (ITAL – Campinas)