cabecalho apta130219

Sojicultor do RS tem lucro 27% maior com transgênicos

Mesmo com pagamento de royalties, o produtor de soja transgênica vem obtendo rentabilidade maior do que com o grão convencional em todas as regiões do País. Levantamento da Agra-FNP mostra que na safra 2006/07 essa diferença foi maior no Rio Grande do Sul, chegando a 27%. Mato Grosso é o estado onde essa diferença é menor, em torno de 9,5%. Ainda assim, é nesse estado onde o aumento da área da transgênica deve ocorrer em maior intensidade na 2007/08. Depois dos gaúchos, foram os produtores paranaenses de soja que registraram a maior diferença entre rentabilidade das duas tecnologias: 13% para a transgênica. Segundo Fábio Turquino Barros, da Agra-FNP, são os herbicidas que estão na base dessa diferença dos custos com insumos. No Rio Grande do Sul, por exemplo, a soja convencional demandou R$ 530 em insumos por hectare, valor 19,8% superior ao custo com plantio de soja transgênica. No Paraná, o manejo da convencional custou R$ 641 em insumos, 12,4% maior. No caso de Mato Grosso (Rondonópolis), essa diferença de gastos foi de 8,5%. Todos os levantamentos, consideram propriedades com alto uso de tecnologia, segundo Barros. Mesmo com a menor vantagem, os mato-grossenses devem continuar a ampliação da área de soja geneticamente modificada (GM). Segundo estimativas da Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat), os transgênicos, que representaram na 2006/07 cerca de 25% da área total de soja (5,1 milhão de hectares), devem avançar para 35% na 2007/08, segundo Elton Ramer, presidente da entidade. Para o analista da AgRural, Daniel Sebben, apesar de menor que de outros estados, a diferença de 9,5% na rentabilidade é importante ao produtor de Mato Grosso, principalmente pela sua margem apertada de lucro, por conta do câmbio valorizado e das altas do frete. Para se ter uma idéia do impacto da logística para o agricultor desse Estado, em janeiro de 2001 o frete representava 26,7% do preço da soja pago ao produtor. Esse percentual fechou em maio deste ano em 44%, segundo cotações de frete da Esalq/Log. Mas o avanço da tecnologia transgênica em Mato Grosso está ainda muito limitada à região Sul do estado, segundo Roberto Machado, do Grupo Bom Futuro, de Mato Grosso. "A soja GM no Sul do Estado tem custo com defensivos de 18% a 20% inferior que para a convencional. Já no Oeste, o corredor de exportação está voltado para o mercado europeu, que tem restrições no consumo de transgênicos, e, no Norte do Estado, não há variedades adaptadas com boa produtividade e a direção da logística ainda não está definida", avalia Machado. Com 120 mil hectares de soja plantados em todo Mato Grosso, o Grupo Bom Futuro possui apenas 20% da área na região Sul. Nessas áreas, a participação da soja GM, que foi de 40% na 2006/07, deverá avançar para 70% na 2007/08. Mas, há posições contrárias ao aumento da lavoura transgênica no maior estado sojicultor do País. Para o diretor-administrativo da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso (Aprosoja), Ricardo Tomczyk, a tendência é de redução na 2007/08. "Os preços do herbicida glifosato aumentaram muito. Eu, particularmente, estou pagando 60% a mais que na safra passada", reclama. Fabiana Batista Fonte: Gazeta Mercantil
Pin It

Notícias por Ano