cabecalho apta130219

Tarifas (barreiras) de 150 por cento à carne bovina

A liberalização comercial agrícola pode resultar em conquistas expressivas de mercado para o setor agropecuário, que tem alta competitividade no cenário mundial. O ministro Luiz Furlan destaca que “o agronegócio é o setor mais aberto e mais internacionalizado da economia brasileira. As tarifas agrícolas são as mais baixas do universo tarifário, em torno de 10 por cento, e o setor responde pela maior fatia do quadro de exportações brasileiras, totalizando 17 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).” Para o ministro, “há claro entendimento que o crescimento sustentável do setor depende cada vez mais de negociações que abram mercado para os produtos do agronegócio brasileiro. Acesso a mercados é a palavra-chave”. Barreiras tarifárias praticadas por países como Estados Unidos e membros da União Européia limitam significativamente as exportações brasileiras. Tarifas que incidem, por exemplo, sobre as exportações brasileiras de açúcar e que, na maioria dos países, estão restritas às cotas, são superiores a 150 por cento. A tarifa de álcool etílico na Europa e nos EUA é de 50 por cento. No entanto, há situações piores. Se o Brasil quisesse exportar frango para o Canadá, a tarifa seria de 505 por cento; para a Noruega, 900 por cento, e para a Islândia, 400 por cento. A tarifa da União Européia para esse produto em pedaços é de 110 por cento. “A carne bovina é outro produto bastante discriminado no comércio mundial. A União Européia aplica tarifa de 150 por cento sobre carne desossada congelada, e o Japão, 50 por cento. No caso da carne suína, a taxação varia entre 30 a 40 por cento na Europa e acima de 200 por cento no Japão. Além disso, o Brasil não pode exportar carne fresca para os EUA porque esse país não reconhece as zonas livres de aftosa, aprovadas pela Organização Internacional de Epizootias (OIE)”, diz Furlan.
Pin It

Notícias por Ano